Emicida apresenta a digressão de “O Glorioso” em Lisboa

Emicida (1)

Emicida desembarcou em Portugal para o concerto do seu primeiro álbum, “O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui”. Na noite de ontem, 23, o rapper brasileiro mostrou como se faz hip hop no país tropical e botou todo mundo para cantar e dançar ao seu som, no Armazém F, em Lisboa.

Com um disco que parece mais estar focado na venda dos singles do que no álbum por inteiro, o repertório conta com samba, rock, funk carioca e uma inspiração mais que especial na música africana. Para quem não sabe, o rapper acabou de voltar da África, onde estava a gravar um documentário e o novo disco, que será sobre as suas raízes.

O hit “Levanta e Anda” sacodiu a plateia, que não estava assim tão cheia, e com suas gírias e sotaque paulistano fez todo mundo cantar fervorosamente o refrão. Em “Gueto” e “País do Futebol” mostrou a mescla do rap com o funk carioca, ou melhor, o funk paulistano, chamado de “ostentação”.

Antes de começar “Zoião”, deu um pequeno discurso a falar das folhas de arruda, que é bom sempre ter estrategicamente atrás da orelha. Sabe como é, né? Mais vale prevenir do que remediar, e mal­olhado é uma praga danada! Já em “Hoje Cedo”, que está nos tops das rádios brasileiras e tem a participação da roqueira Pitty, Emicida nem precisou de chamar o público para celebrar com ele. Muitos já tinham tudo na ponta da língua.

Capicua chegou no meio do concerto para fazer a festa com o brasileiro. Cantou “Medo” e “Rua Augusta” um tanto tímida enquanto o Emicida fazia piadas e se sentia à vontade em meios aos portugueses. “Trepadeira”, música com participação do cantor Wilson das Neves, foi samba na veia. Teve direito a violão, como chamam os brasileiros às guitarras acústicas, cuíca e muita percussão. Em “Ubuntu Fristaili” o rapper ensaiou com o público o refrão, fez todo mundo rir com suas brincadeiras e botou o coral improvisado no ritmo.

“Zica” fechou a noite com chave de ouro, já que esta foi a sua primeira canção a estar no topo das paradas brasileiras. Foi um concerto mesmo à brasileira. Teve muita mistura de géneros, de gente, de vozes e de cultura e, acima de tudo, teve gratidão pelos antepassados, em especial, aos africanos, que já faziam música há tempos. Como disse o próprio rapper, eles que inventaram a primeira rede social, o tambor. Porque quando alguém o toca, uma roda se forma e as trocas de cultura e conversa são mútuas.

Com duas datas marcadas em terras portuguesas (dia 22 no Porto e 23 em Lisboa), agora, ele lança voo para Londres, onde continua a digressão pela Europa.

Texto por: Mayra Russo

Talento é de família: netos e filho do cantor Gilberto Gil formam banda com amigos

A história da banda brasileira Sinara começa numa amizade. Luthuli Ayodele e Francisco Gil são amigos desde pequenos e a música sela esse laço que já existe há anos. O pai de Luthuli é compositor e produtor cultural e trabalhou com o avô de Francisco. Assim, entre músicas e ensaios, fez-se a amizade entre os dois. Na entrevista com a repórter MAYRA RUSSO, ambos falam sobre a carreira da banda que formaram, os desafios para um grupo ainda iniciante e dão detalhes das canções que estão gravando para o primeiro EP deles.

Fotografia de Peter Wrede.

Fotografia de Peter Wrede.

A Sinara ainda está dando os primeiros passos, mas o sobrenome de peso dos guitarristas Francisco e João Gil e do baterista José Gil chamam a atenção dos média. É verdade, os meninos têm como patriarca da família um dos mestres da música popular brasileira que leva o som feito no Brasil para o mundo. Gilberto Gil é pai de José e avô de Francisco e João. Mais ainda! Francisco é filho da cantora Preta Gil com o ator Otávio Müller. A arte já está no sangue. Para completar a banda, além dos descendentes de Gil e do vocalista Luthuli, tem também o tecladista Léo Israel (filho do ex-integrante do Kid Abelha, George Israel) e o baixista Magno Brito.

A conexão do Gil com os meninos da Sinara é praticada à exaustão pelos média, mas Francisco garante que estão tentando trilhar o caminho com os próprios pés. “Sempre tem minha mãe ou as pessoas do média que querem estar aí ajudando a gente, mas a gente procura evitar. Queremos seguir um caminho mais natural das coisas, o nosso caminho”, afirma o filho de Preta. E eles têm conseguido provar que têm talento. No festival Rider Weekends, que aconteceu no Rio de Janeiro, em Fevereiro, os seis rapazes atraíram mais de 700 pessoas para ouvir suas faixas autorais, como “Floresta” e “Psicologia”.

Luthuli é o compositor oficial do grupo, mas também divide as letras com a malta. “Tentamos nos encontrar para compor junto. Eu faço a letra e chamo o Zé (José Gil), o Fran (Francisco Gil), o Magno para me ajudarem. Então acaba que tudo é nosso. Todo mundo tem um ingrediente no nosso bolo”, explica o vocalista. A sonoridade da Sinara não tem uma delimitação. Os meninos juntam as suas raízes, que vão desde MPB e bossa nova até soul e rock, e criam sem rótulos. “A gente não quer rotular. Eu quero ver o que as pessoas vão dizer. Uma hora elas chegam em alguma conclusão aí”, argumenta Francisco.

Ter uma base cultural tão eclética se reflete na musicalidade do primeiro EP (ainda sem previsão de lançamento). O reggae, rock e rap são géneros que, com certeza, vão ser encontrados nas três músicas que a Sinara está gravando em estúdio. “Antes que Eu Morra”, “Marchando” e “Favela” são as faixas que vão compor o EP e são bem diferentes uma da outra, de acordo com Luthuli. Além disso, também estão em fase de filmagem do primeiro videoclip. “Floresta” está sendo filmada no Rio de Janeiro e explora o lado ator dos músicos. “Está sendo diferente também porque a gente não está acostumado a fazer isso. Por incrível que pareça o resultado está sendo muito bom. Eu não sabia nem que eu sabia atuar tão bem”, brinca Luthuli.

Mesmo sem ter datas programadas de quando vai ser o lançamento do EP e do vídeo de “Floresta”, a Sinara tem planos de produzir alguns poucos CDs para serem vendidos nos concertos, mas vão também disponibilizá-lo gratuitamente na internet. Para ler na íntegra entrevista clique aqui.

 

Texto por: Mayra Russo.

Nega Jaci (en)canta o repertório de Chico Buarque e Elis Regina

nega

Escondido no Beco do Rosendo, um mundo cheio de “brasilidade” residiu no passado sábado, 21. Ao subir as escadas, veio a surpresa. Não é que esse tal de Renovar a Mouraria estava entupido de gente? Lá dentro, quem dava a voz e o batuque para a animação do povo era a cantora brasileira Nega Jaci. Ao lado dos seus músicos, a baiana relembrou sucessos da carreira de Chico Buarque e Elis Regina através do seu projecto “Nega Canta Chico e Elis”.

Alô alô Marciano”, “Essa Moça Tá Diferente”, “Tiro ao Álvaro”, e outras músicas que embalam os finais de semana até hoje, agitaram aquela noite de sábado. Com uma voz potente, um requebrado vindo da Bahia e uma simpatia imensa, Nega Jaci conquistou o público presente. A todo minuto mais pessoas subiam as escadas do beco e corriam para ouvir o som que estava encantando quem passasse por perto.

A baiana dançou, cantou e chamou o público para cantar ao lado dela. E não parou por aí! Além das canções de Chico e Elis, também inseriu músicas de Maria Rita (filha de Elis), João Gilberto e outros célebres da música brasileira. Até Amy Winehouse se transformou em samba-reggae nas mãos da Nega.

O concerto inteiro foi cantado em coro pela malta que se aglomerava dentro do Renovar a Mouraria e ia se alastrando pelos arredores (onde tivesse espaço estava valendo!). O que o público queria era ouvir a voz, o sotaque e o molejo da Nega. Como diz Gilberto Gil numa das suas canções que ganharam o mundo, “toda menina baiana tem encantos que Deus dá”.

Texto por Mayra Russo.

Twin Shadow entra na banda sonora do filme Paper Towns

To The Top”, canção do Twin Shadow, está presente no trailer de um dos filmes adolescentes mais esperados do ano, “Paper Towns”. Essa música faz parte do último álbum lançado pelo George Lewis Jr. (o cantor por trás do Twin Shadow), nomeado “Eclipse”. O disco foi colocado à venda na passada terça-feira, 17, no iTunes.

Pelos vistos, pode-se esperar “To The Top” na banda sonora de “Paper Towns”, filme baseado no livro de John Green.

Texto por Mayra Russo.

“O rap foi uma parada muito importante na minha vida em relação à questão racial”, explica Rael em entrevista

O rapper brasileiro Rael tem dois álbuns e um EP, lançado recentemente, em sua carreira. Com os dias contados para terminar a digressão de “Ainda Bem que Segui as Batidas do Meu Coração” (2013), ele já tem marcada a data para iniciar a tour do EP “Diversoficando”, editado no fim de 2014. A repórter MAYRA RUSSO conversa via Skype com o cantor, músico e compositor, que fala sobre preconceito, a cultura hip hop e as novidades produzidas por ele.

Conhecido pela mistura de géneros musicais brasileiros e reggae com o rap, ele acaba por abranger um grande público através das suas canções. “Acho que essa mistura é um convite para outras pessoas e até as mais velhas também a começarem a ouvir rap”, revela Rael em entrevista. Embora essa não seja a receita principal para fazer com que o hip hop chegue ao topo das paradas, é uma maneira de dialogar com um público mais abrangente.

“Ser Feliz”, “O Hip Hop é Foda Parte 2”, “Hoje é Dia de Ver”, “Pré-Conceito” e “Envolvidão” são as faixas de “Diversoficando”, e foram todas disponibilizadas para download gratuito e pode encontrá-las também nos muros do Rio de Janeiro e de São Paulo. A malta conecta os fones em paredes com a logo do EP, e podem ouvi-lo de borla. Para Rael já não vale a pena lutar contra o download ilegal e gratuito, é preciso unir-se à essa ideia e fazê-la de maneira a chamar mais gente possível para ouvir as suas canções. “As pessoas que consomem já estão acostumadas ao artista disponibilizar de graça. E as pessoas que baixam isso de graça são as que vão no show, que também compram o físico às vezes”. O rapper acredita tanto nesse modo de distribuição que desistiu de assinar o seu último EP com uma gravadora justamente porque não queriam deixá-lo colocar para download gratuito.

Rael_entrevista (2)

Imagem: Divulgação/ Facebook Rael.

Vindo da favela paulistana (o que ou quem é da cidade de São Paulo), as temáticas rondam assuntos que têm gerado furor entre os jovens que vivem na periferia, como o preconceito e a importância exagerada que tem-se dado aos bens materiais. “Esses dias eu fui numa festinha que teve na escola do meu filho e vi que eu era o único negro lá. Eu me senti incomodado, saca? Mas as pessoas estavam tranquilas. Eu vi que era uma ‘encanação’ minha. Devido a essa ‘chaga’ que fica de tanto você ter passado por situações de preconceito. Mas eu fico vendo que rola esse lance da classe mesmo”, responde ao ser perguntado se acredita que o preconceito no Brasil ainda é racial ou se é mais social. Emenda ainda que Os Racionais o ajudaram muito na afirmação da identidade e a andar de cabeça erguida. “Antigamente as pessoas falavam: ‘ah, entra água no seu cabelo?’. E eu não sabia o que dizer, não tinha resposta. Aí Os Racionais vieram com um discurso muito bacana que me deu autoestima e eu comecei a bater de frente com as pessoas e a não ligar muito para isso, para quem era muito idiota”, assume o brasileiro, que aprendeu com o rap a enfrentar o preconceito racial numa época que esse assunto era tabu até dentro de casa e nas escolas.

“Envolvidão” é a única faixa romântica e é também a mais comercial, sendo a que alcançou mais visualizações no YouTube. Mas Rael acredita que há uma divisão na sociedade. Existem pessoas que se importam com o que acontece na periferia e gostam mais de canções como “Pré-Conceito” e outras que pensam apenas na “possibilidade de agregar valor e dar uma expansão só para elas mesmas”. Por ter o tema principal o amor, muitas mulheres acabam se identificando mais com essa faixa do que com as outras quatro.

Sendo o hip hop uma cena que enfatiza a realidade e coloquialidade, o brasileiro revela a importância do género no seu crescimento pessoal e artístico. “O rap foi uma parada muito importante na minha vida em relação à questão racial, que hoje em dia eu sei lidar com isso. Não me afeta. Quem tem esse tipo de pensamento, de comportamento eu tenho pena na verdade. Acho que é uma ignorância tremenda. Os moleques da quebrada estão com uma autoestima maior agora.”

A preocupação maior do Rael é passar conselhos para os mais jovens, assim como acredita ter sido aconselhado através das músicas d’Os Racionais e do rapper paulistano Xis. “Acho que é uma responsabilidade que a gente tem, sim, de tentar abrir os olhos das pessoas, de fazer elas enxergarem que elas são maiores do que elas acham que são, que não é só porque você tem um sistema de ida e vinda, de ir trabalhar, pegar autocarro cheio e voltar, que a sua vida é só isso. Têm muitas outras coisas para se conquistar além do dinheiro, que são coisas pessoais, internas.” E completa com a visão que tem dos jovens hoje em dia. “A molecada está se perdendo muito. Eles não se acharam ainda como pessoa, como ‘o que eu vou ser? O que eu vou buscar?’. Não tem essa ambição saudável. Primeiro ele quer um ténis foda, uma mota foda. Eu acredito que a gente possa consumir. Eu quero ter coisas também. Mas essas coisas não podem falar por mim, não podem vir primeiro e nem serem o ponto vital da minha vida. Então eu tento pregar isso para a molecada.”

Durante a conversa (para ler a entrevista completa, clique aqui), Rael admite ter vontade de trazer a digressão de “Diversoficando” para a Europa e anuncia o dia 12 de Março para o início da mesma em São Paulo, no Brasil.

Faz Música Lisboa anuncia data e chama o público a indicar bandas que querem ver ao vivo

A essa altura do ano, toda a gente já fica à espera das line-ups dos festivais de verão e ansiosos para verem as suas bandas favoritas ao vivo. Com esse objetivo, a festa Faz Música Lisboa começou o ano a convocar o público a indicar os grupos que querem ver a tocar nos palcos espalhados pela capital portuguesa e terem a chance de participarem na escolha da line-up deste ano.

Para quem não conhece, a Faz Música está a atuar há cinco anos em Portugal, e é uma festa baseada na francesa Fetê de la Musique. Esta tradição celebra a música todos os anos durante o mês de Junho e está presente em 116 países e 450 cidades. Aqui, está desde 2010 e envolve vários géneros musicais em palcos montados em praças e espaços turísticos de Lisboa.

A ser realizado no dia 20 de Junho, o evento está a chamar a todos para indicarem os seus artistas favoritos para tocarem na festa. É muito simples. Se tocas numa banda ou conheces alguém que o faz, manda um vídeo, áudio ou a página do Facebook deles para o grupo “Faz Música Connosco” (clique aqui para abri-lo) e pronto. A equipa vai escolher os músicos mais indicados ou os que se adequarem mais aos estilos musicais presentes nas temáticas deste ano.

Em parceria com a ETIC, em 2014, foi produzido um palco da escola que levou como atrações estudantes de música com o som eletrónico feito por eles próprios e a grande estrela do dia foi o rapper NBC, no Largo dos Camões. Além desse, tiveram palcos de blues, jazz, fado, rock, música do mundo e música brasileira.
Faz Música_NBC

Em 2015, a Faz Música promete que está a preparar a melhor festa de sempre! São muitas novidades que serão reveladas ao longo desses meses e poderão ser acompanhadas através da página no facebook, site e aplicativo para telemóveis. Estás a espera de que para marcar presença nesse evento? É gratuito!

Texto por: Mayra Russo.

Fotografia: Fábio Caetano, Bárbara Lizardo e Tiago Charrua (alunos ETIC)

Monobloco – Ao Vivo

Arrasta a mesa de centro para o lado que o Carnaval está prestes a aterrar na tua sala. É o Monobloco! Ao vivo e a cores, um dos grupos brasileiros mais famosos de percussão leva-te a um dos Carnavais mais dignos do mundo no CD e DVD “Monobloco – Ao Vivo” lançado em 2005. Bem-vindo ao Brasil!

Sai do chão que esse é um álbum impossível de ouvir sentado ou parado! É muito samba no pé e clássicos da música brasileira sendo reinterpretados pelo batuque do Monobloco comandado no vocal pelo ícone do subúrbio carioca e do baile charme, o ator e cantor Sérgio Loroza, e os cantores Pedro Luís, Rodrigo Maranhão e Fábio Allman. É um verdadeiro Carnaval dentro da tua própria sala.

Poupa na vaidade. Esse é um item dispensado depois alguns minutos ao som do bloco (orquestras de instrumentos percussivos, em sua maioria, e que desfilam nas ruas durante o Carnaval) mais agitado do Rio de Janeiro. É para pular, para suar, para “mexer as cadeiras”, como se diz no Brasil. Mesmo quem não saiba acompanhar as músicas, que acompanhe na vibração positiva emitida pelo grupo, que não cansa nem um segundo, encarnando o verdadeiro espírito carnavalesco.

Foca na hidratação e esquece as aulas de dança. Água, impreterivelmente, será requisitada aos litros em meio a audição desse DVD. Acredita. Já a dança… Sinceramente? Ninguém está a se lixar para o modo como estás a sentir a música, contanto que a sintas. Parado é que não pode ficar com um repertório embalado por ritmos brasileiros que balançam o povo de norte a sul do país. Tem funk carioca, samba, forró, MPB e soul music enchendo o público presente no Circo Voador (casa de eventos do Rio de Janeiro) de swing naquela noite de 10 anos atrás.

Deixa a vergonha de lado, menina (o). Como diz uma marchinha tradicional brasileira, “não me leve a mal. Hoje é Carnaval!”. E com essa desculpa, “se joga” na pista, seja ela escondida dentro do quarto ou nas festas de rua. No dia que conseguir, aí, sim, terá entendido o verdadeiro significado do Carnaval, que anda lado a lado com o que é o Monobloco.

A empolgação emanada do palco desse DVD é tanta que chega ao ouvinte do outro lado do oceano, e, automaticamente, vai balançando os ombros, as mãos, e quando percebe já está de pé a requebrar ao som do bloco carioca. Esse álbum é um convite irresistível ao melhor Carnaval do mundo e no quesito música, a nota é 20!

Texto por Mayra Russo.