Mauro Lopes (Straka)

A minha paixão pela música está me nas veias desde que me lembro que existo, com raízes Africanas (Pai) Este que desde sempre me deu a conhecer os ritmos quentes deste país. Lembro-me de por volta dos 4 anos abrir as caixas de vinys e de k7’s (Bonga; Otis Redding; Rod Stewart; Laura Branigan, etc.) do meu pai e começar a experimentá-las na aparelhagem. Acho que foi aí que se fez um clique que ainda dura até hoje.

Gosto de “quase tudo” à excepção de Metal e House Comercial estilos que me deixam os “ouvidos a sangrar” mas os géneros que realmente me elevam ao expoente máximo de êxtase são a Música Electrónica (sou dj neste registo musical daí a “descontrolada” paixão) e o Indie Rock.

Álbuns que referencia:
Dj Koze – Amygdala; Mallu Magalhães – Pitanga; B Fachada – É para Meninos

texto por Mauro Lopes (Straka)

Marco Bastos

Uma das minhas grandes paixões é a música, desde dos oito anos que ouço álbuns completos e aí começou o gosto por “dissecar” as músicas, de saber como são escritas e como são produzidas. O meu gosto musical começou no Metal especialmente o Trash, conforme fui crescendo comecei a ouvir cada vez mais rock sendo o género que ouço mais, não discrimando qualquer género. Outra das minhas paixões é leitura e junto essa paixão também à música, pois adoro ler biografias músicais, tendo já na minha colecção biografias como do Keith Richards (Rolling Stones), Dave Grohl(Foo Fighters) e Dave Mustaine(Megadeth).

texto por Marco Bastos

João Alves

A minha paixão pela música surge por volta dos 13anos. Começo a ficar apaixonado porum estilo em particular, o Heavy Metal, quando um amigo me começou despertar para bandas como Iron Maiden, Metallica, Spliknot, entre outros. Para mim aquela musicalidade fazia sentido, até as letras. Não eram só gritos como a maior parte das pessoas acha.

Tenho três albuns de referência: Metallica – Kill Em All; Black Sabbath – Paranoid; System Of Down – Toxicity. Com estes álbuns como referência, não significa que só oiça “música da pesada”. Considero que oiço de tudo um pouco, desde que soe bem ao meu ouvido.

Os concertos que me marcaram mais até hoje foram Iron Maiden, Metallica e Rolling Stones no Rock in Rio Lisboa 2014.

texto por João Alves

Leonor Varandas

A música para mim sempre foi como um “psicólogo”, uma espécie de terapia que me ajuda a lidar com o mundo caótico em que vivemos. Gosto portanto de bandas com algo a dizer, letras que mostram uma nova perspetiva de ver o mundo. Os álbuns que mais me afetam de uma maneira positiva são: HOT FUSS dos THE KILLERS, LATERALUS dos TOOL e DUMMY dos PORTISHEAD. O Pop atual faz-me um pouco “comichão” e por mais que tente não consigo ouvir fado (mas não rejeito a sua importância).Tenho mais interesse em ouvir o que é que influenciou o artista a criar a música do que simplesmente carregar “play”.

texto por Leonor Varandas

Gonçalo Dias

A música tem sido uma constante ao longo da vida. Primeiro através da dança, na infância. Mais tarde como fiel companheira para qualquer ocasião.

Considero-me um filho da geração MTV dos anos 00 que cresceu a idolatrar nomes como Britney Spears, Beyoncé, Justin Timberlake e Christina Aguilera, até que com o avançar da idade descobri que havia mais mundo para lá do que a pop culture me queria impingir. E percebi que não há limites para aquilo que posso ouvir e gostar.

Adoro dedicar-me à escrita, descobrir novos talentos, ir a concertos, dançar e trautear canções aleatoriamente.

texto por Gonçalo Dias

Blog pessoal: http://intothemusic0.blogspot.pt/

David Ramos

Desde pequeno a música surge como uma grande influência no meu crescimento e em várias etapas por que passei e alcancei muito. Com o avançar do tempo tornou-se uma companhia constante na minha rotina e dia-a-dia. Os álbuns que mais me marcaram e fascinaram ao longo destes vinte anos são imensos, passando por algumas culturas e géneros. Realçando alguns, diria Árvore Kriminal, de Halloween, Hebron Gate dos Groundation e Jungle by Night onde o CD tem o mesmo nome da banda. A minha área de interesse maioritariamente recai sobre géneros com origens Africanas e Americanas, porém quero globalizar o meu conhecimento musical. Vontade e interesse não falta nesta grande obra de arte, que é, a música.

texto por David Ramos

Teresa Colaço

Estudei jornalismo e fui ganhando o bichinho da rádio e o gosto por escrever, partilhar e falar sobre música. Não vos consigo descrever o meu gosto musical, mas posso dizer assim por alto que a banda que mais me marcou foram os U2, que oheavy metal não foi só uma fase e que tenho especial interesse na música portuguesa. Sei que ainda tenho muito que ler, aprender, ouvir e descobrir, e é também por isso que aqui estou.
Que mais? Sou do Sporting Clube de Portugal, tenho um gato chamado Nélson e não gosto de cogumelos. Acho que está tudo.

texto por Teresa Colaço