Entrevista Banda do Mar‏

Às vésperas do primeiro concerto em Lisboa, Banda do Mar conversa com o Notas à Solta.

Faltando poucos dias para o concerto de estreia da digressão da Banda do Mar em Portugal (com ingressos esgotados nos dois dias de apresentação em Lisboa), a vocalista Mallu Magalhães e o baterista Fred Ferreira conversam com MAYRA RUSSO sobre o futuro do grupo e o sucesso após o lançamento do primeiro álbum. Segurem o fôlego e podem soltar o sorriso porque Mallu e Fred afirmam que a Banda do Mar veio para ficar.

Existe aquele lema “a união faz a força”, e no vosso caso, com certeza faz. Cada um separadamente já era reconhecido pelo seu trabalho, mas unidos vocês conquistaram muita gente em pouquíssimo tempo. Como conseguiram ter tanto sucesso logo no primeiro álbum da banda?
MALLU MAGALHÃES – (pensativa) Puxa, acho que muita dedicação. Estamos o tempo inteiro pensando em tudo o que envolve a banda, desde os cartazes até os nossos parceiros, quem vai tocar no show, o músico, o substituto do músico, técnico de som, os vídeos, as fotos, o facebook… A gente pensa na banda o dia inteiro. Acho que essa dedicação é um trabalho diário, intenso e que dá frutos. A nossa parte é fazer muita divulgação, dar entrevistas… Tudo isso é muito importante. Acho que tudo isso contribuiu para a gente conseguir tanta repercussão. E lógico que também o conteúdo que, pessoalmente, eu acho muito legal (risos). É um grande disco, e isso conta também. Se o pessoal gosta é porque talvez seja mesmo bom (risos).

No Brasil, a Banda do Mar foi destaque em diversas publicações, inclusive as mais aclamadas no país, como o Estadão e a Super Interessante. Aqui, esteve nos destaques de 2014 da Blitz e teve muita procura dos fãs portugueses em relação ao vosso concerto. Foi um CD pensado para ter uma sonoridade de destaque em ambos os países ou quando perceberam a música de vocês já tinha alcançado uma repercussão imensa?
MM – Eu acho que não foi tão pensado, né, Fredinho?
FRED FERREIRA – O que queríamos fazer era o melhor possível. O fato de cantarmos em português já nos coloca a comunicar com Portugal e Brasil, mas nunca falamos sobre isso. É natural que por estarmos aqui a morar e por termos uma ligação com o Brasil comunicarmos mais com os dois lugares. O nosso objetivo era poder tocar em ambos os países nessa primeira fase da nossa digressão.
MM – O nosso objetivo sempre foi esse mesmo. Pensávamos mais em ter um bom resultado. Queríamos ter uma boa árvore e não só colher o fruto.

Essa árvore que vocês fizeram tem influências tanto do Brasil quanto daqui?
MM – Ah, acho que bastante. Nós três somos bem ecléticos. O Fredinho então…

Pois, aqui em Portugal ele trabalha com diversos artistas. Foi dessas bandas que o Fred participou que vocês trouxeram alguma coisa para compor a Banda do Mar?
FF – A Banda do Mar, antes de mais nada, foi inspirada na nossa amizade. É uma coisa diferente porque já somos amigos há muitos anos e a vinda deles para cá (Mallu e Marcelo moram em Lisboa atualmente) resultou em formarmos uma banda porque somos músicos. Mas também surgiu ideia de fazer outras coisas, tipo uma padaria. Nós queríamos é estar juntos. Se for a tocar, que é o que gostamos mais, melhor.

Que legal! A amizade de vocês vai para além da música. Vai para todas as áreas.
Ambos – Muitas!
MM – Aliás, na música, tocar mesmo é 10% do tempo, talvez menos. A maioria é espera…
FF – Check-in aqui, raio-x acolá…
MM – Então as suas companhias são fundamentais. Para gente, estar entre nós três, é demais!
FF – É ótimo! Eles riem-se das minhas piadas.
MM – (risos) Agora está precisando renovar o repertório. Já está repetindo as piadas. (risos)

Músicos e cantores, mais até os portugueses do que os brasileiros, conseguem ter dois ou mais projetos paralelamente na carreira deles. É esse o futuro do cenário musical?
FF – Depende. Eu acho que sim se utilizares o meu caso, por exemplo. Eu consigo trabalhar com mais pessoas porque também o meu instrumento permite. Acho que se for um cantor é diferente, não é algo que dê para estar a aparecer muito. Agora, se a Mallu for cantora na Banda do Mar e no projeto a solo e baterista numa banda, aí já acho bom. Até curtia ver uma banda com a Mallu a tocar bateria.
MM – Ah, Fred! (risos) Só você mesmo.

Mallu, você e o Marcelo estão morando aqui, mas têm passado muito tempo no Brasil por causa da digressão. Já tiveram tempo de conhecer algum artista, alguma música feita aqui?
MM – Aqui a gente convive com a cena musical portuguesa através do Fred e dos amigos que a gente fez, que são os amigos do Fred (risos). Uma vez conhecendo a pessoa a gente passa a acompanhar o trabalho também. Me identifico muito com o Nick Nicotine, a minha professora de canto, a Ana Cláudia, que acabou de lançar um disco legal caramba… O próprio Orelha Negra, a banda do Fred, sempre ouvi para correr.

Tendo o Fred, que já trabalhou com muitos músicos portugueses, vocês pensaram em trazer algum deles para uma participação especial nos concertos que farão aqui?
FF – Acho que a participação especial quase que é mais só o Sebastião (filho mais velho do baterista), que já tocou connosco lá no Circo Voador (casa de eventos no Rio de Janeiro). Isso é na brincadeira. Por acaso nunca falámos nisso. Até era uma coisa que nós gostávamos. Acho que para as coisas serem bonitas nós temos que ser surpreendidos e têm que acontecer naturalmente. É que nós não sabemos mesmo (se terão participações especiais). Até podemos, de repente, encontrar o Rodrigo Amarante a irmos para o show e convidá-lo para tocar connosco. Ou o António Zambujo, o Miguel Araújo… Gostávamos de ter um dia alguém que vá lá cantar connosco.

Os fãs portugueses podem esperar mais atuações da Banda do Mar em Portugal ainda este ano, além dessas datas marcadas?
FF – Claro, os portugueses podem esperar e os brasileiros também. Ainda vamos voltar para lá.
MM – Ainda tem muito show esse ano. Vai ter mais do que o ano passado. A digressão em Portugal vai até o final do verão e a do Brasil termina em abril.
FF – Tem os festivais de verão daqui também. Quer dizer, os festivais não sabemos, mas esperamos que sim.

Banda do mar (1)Texto por Mayra Russo.

Anúncios

Banda do Mar lança seu primeiro álbum

Três amigos unem-se para lançar o primeiro projeto deles como um grupo: o disco Banda do Mar. Com nome homónimo, a banda é formada pelo português Fred Ferreira, na bateria, e pelos brasileiros Marcelo Camelo e Mallu Magalhães a revezarem-se como vocalistas e nas composições.

A faixa que abre o disco (Cidade Nova) reflete um pouco do que Mallu e Marcelo estão a passar, já que resolveram mudar-se para cá, com o intuito de planearem, em grupo, este projeto inédito. Em entrevista à Blitz deste mês, Marcelo revela que a decisão deles de vir cá morar foi para tornar possível o sonho dos três de formarem uma banda.

Mais Ninguém é o hit do álbum e já tem um videoclip, que foi gravado aqui, em Portugal. Esta música soa como uma declaração de Mallu a Marcelo, visto que são casados. O disco inteiro é leve e doce, com uma dose de romantismo. Atenção à música número oito, Me Sinto Ótima. Interpretada por Mallu, essa canção é uma demonstração de personalidade forte, coragem e de um bom humor matutino.

O disco já está à venda nas lojas em Portugal e, após a digressão pelo Brasil durante o fim deste ano, o trio virá apresentar-se aqui em 2015.

texto por Mayra Russo