As melodias de quatro acordeões ecoaram música ‘contemporânea’ com Danças Ocultas

O grupo musical português Danças Ocultas subiu ao palco do grande Auditório do CCB, no passado dia 5 de Maio, com a Orquestra Filarmonia das Beiras e como convidados Rodrigo Leão, Dead Combo e Carminho, para um momento musical mágico com os vários géneros musicais e instrumentais.

RMG_4936

Com a sala praticamente cheia, Danças Ocultas trouxeram aos portugueses algo diferente do habitual em relação ao instrumento acordeão. Com a orquestra Filarmonia das Beiras a abrir o espetáculo, começou logo por animar os espectadores com muita música jovial. Com luzes a iluminar somente o palco e a restante sala na escuridão da curiosidade, entraram os quatro músicos com os seus acordeões, que receberam de imediato calorosas palmas.

Melodias diferentes em cada acordeão se espalhavam, mas em poucos segundos que se tornavam numa só melodia ‘dançarina’, juntamente com a sonoridade das cordas da orquestra.

Após algumas músicas, Rodrigo Leão entrou em palco, por duas vezes, para partilhar a sua arte no piano com a arte que estava em palco. Assim tocaram todos em conjunto “Tardes de Bolonha” e “Danças d’Alba”. A orquestDSC_6868ra tocava, os acordeões lançavam e ‘dançavam’ notas por toda a sala, quando, do nada, entraram em palco os Dead Combo. O público não resistiu e bateu palmas, contudo a música continuava. Assim se sucedeu, num bis, na segunda parte do concerto, com a música misteriosa, ‘louca’ e deliciosa de Dead Combo.

De tranquilidade e harmonia (luzes azuis) passámos, num click, para paixão e energia (luzes vermelhas), com a calorosa voz da fadista portuguesa Carminho. A fadista deslumbrou todos os presentes com a sua voz num momento único e representativo do nosso país: Fado.

MaiDSC_7001s músicas surgiram naquela noite. Com mais um toque de passo de dança, com repetições, com muita música e com muitos sorrisos de satisfação por parte do público e dos músicos, que não só proporcionaram uma grande noite como espalharam muita alegria e muita coisa nova para os ouvidos dos portugueses.

RMG_5076

Texto por: Laura Pinheiro

Fotos de: Ricardo Gomes e Tiago Martinho

Anúncios

Rodrigo Leão levou “O Espírito de um País” ao CCB

Com o grande auditório do Centro Cultural de Belém praticamente cheio, Rodrigo Leão, juntamente com os seus companheiros e convidado especial, levou um grande momento musical ao público presente, com a simplicidade e textura das suas melodias.

asdfghjkl

O artista fez-se acompanhar por cinco músicos – dois violinistas, um violetista, um violoncelista e a ilustre Celina da Piedade ao acordeão e, volta e meia, ao metalofone. O autor de Ave Mundi Luminare ou Cinema apresentou o espectáculo “O Espírito de um País”, erguido a propósito da comemoração dos 40 anos do 25 de Abril, e que recentemente foi lançado em formato físico.
Para além dos inéditos, o concerto levou-o a revisitar alguns dos temas mais antigos do seu reportório (“Tardes de Bolonha”, “Vida tão Estranha” ou “La Fête”) e contou com a participação especial de Camané, alvo dos maiores aplausos da noite, para soberbas interpretações de “Voltar”, a já referida “Vida tão Estranha” e o inédito “Restos da Vida”, criado propositadamente para o espectáculo. Também Celina da Piedade deixou por momentos o seu fiel acordeão para dar voz a duas canções que Rodrigo Leão diz ter escrito em conjunto com Pedro Ayres Magalhães para os Madredeus, recebidas com agrado pela plateia.

Tratou-se também de um espectáculo visual. A meio do concerto, o pano traseiro subiu e revelou quatro colunas iluminadas a laranja, que foram mudando de cor e criando um ambiente muito próprio para cada tema tocado. Com apenas 7 músicos em palco, este tornou-se pequeno para tanto talento. A alegria e sorrisos que os músicos transmitiam através das suas expressões corporais e musicais, fazia qualquer um presente na sala querer estar no lugar deles e fazer música.

Ao longo de quase duas horas, Rodrigo Leão não só apresentou “O Espírito de um País” como elevou o espírito de cada um dos presentes que naquela noite se dirigiram ao CCB para testemunharem o magnífico talento de um dos maiores génios nacionais.

Texto por Gonçalo Dias, Laura Pinheiro e Teresa Colaço.

Foto de URUGU.

“O Espírito de um País” de Rodrigo Leão no CCB

manrodrigo-4a4d

O Centro Cultural de Belém irá receber, no Grande Auditório, Rodrigo Leão para um concerto “imperdível”, com Camané como convidado especial.

“O Espírito de um País”, o novo álbum de Rodrigo Leão, editado a 6 de outubro de 2014, mereceu acesso imediato no primeiro lugar no Top Nacional.

Este álbum trata-se do concerto que o músico português deu na escadaria de São Bento, em Lisboa, para assinalar os 40 anos do 25 de Abril. Camané e a Sinfonietta de Lisboa são dois dos notáveis convidados deste novo álbum de Rodrigo Leão. O CD e DVD são ambos compostos por 17 músicas.

Os concertos serão a 7 e 12 de Novembro no CCB em Lisboa e a 10 de Novembro na Casa da Música no Porto.

Rodrigo Leão é um músico e compositor português, conhecido por ser co-fundador de Sétima Legião e por ter criado os Madredeus. O músico, com uma grande carreira musical, tem contribuído muito para o enriquecimento da música em Portugal. Em 2013 compôs a banda sonora do filme “O Mordomo”, a qual foi nomeada para um Óscar.

texto por Laura Pinheiro