Ciclo de Conversas na Fnac Chiado

Decidimos criar um projeto só nosso, onde nos vamos dar a conhecer.

O projeto consistirá num ciclo de conversas, onde falaremos e damos a conhecer a banda ou o artista  convidado, que por fim acabará com uma pequena showcase. Como mediador, teremos o nosso professor Rui Miguel Abreu, conceituado jornalista e critico musical que trabalha na Blitz e na Antena 3, com o seu programa “Rimas e Batidas”. Será um ciclo que decorrerá uma vez por mês, num sábado pelas 17h, excecionalmente devido à agenda da artista. Temos já conversa marcada para dia 15 de fevereiro com Ana Miró, que responde por Sequin e que será a nossa primeira convidada.

Sequin é o projecto a solo de Ana Miró, cuja voz reconhecemos pela sua colaboração com Oscar Silva em Jibóia. O projecto nasceu no início de 2013, dando-se a conhecer em maio, com o lançamento de Beijing, tema que tem inundado as rádios nacionais.

As suas músicas levam-nos a uma espécie de orientalidade electro pop, embalada pela sua voz doce e envolvente, pelos ritmos quentes e pelas ambiências antagónicas que vai criando, num misto de festa e de nostalgia.

Em outubro, Sequin oficializou a sua ligação à Lovers & Lollypops.

Tendo passado por vários palcos em todo o país, destaca-se a sua presença em festivais como Milhões de Festa, Vodafone Mexefest, Vodafone Paredes de Coura, NOS Alive e Futuroscope em Itália.

O seu primeiro álbum foi lançado no dia 21 de abril de 2014 e foi produzido por Moullinex.

Por isso venha conhece-la e fique também a conhecer a nossa paixão por música.

Texto por Mauro Lopes (Straka)

Vodafone Mexefest 2014 – Dia 1 (Kindness)

Adam Bainbridge voltou pela 3ª vez a Portugal após a passagem pelo festival Primavera Sound e pelo Lux em 2012, e com ele trouxe 5 excelentes músicos. Rapidamente cativou o muito púbico que acorreu para o ouvir, as sonoridades 80’s uma vista privilegiada para o castelo de São Jorge e 2 backing vocal’s arrasadoras foram elementos chave para não deixar ninguém parado. Adam para além de músico é um ótimo preformer e um brincalhão interpretou a “I Wanna Dance With Somebody” de Whitney Houston, ainda teve tempo de “saltitar” de uma ponta à outra do recinto e visitar o Lisboa Bar a meio do concerto deixando o publico a questionar-se onde estaria o front man da banda. Foi sem dúvida um concerto marcante pela boa energia a bela vista e o amor que Adam transmitiu aos seus fans.

Texto por : Mauro Lopes (Straka)

Mauro Lopes (Straka)

A minha paixão pela música está me nas veias desde que me lembro que existo, com raízes Africanas (Pai) Este que desde sempre me deu a conhecer os ritmos quentes deste país. Lembro-me de por volta dos 4 anos abrir as caixas de vinys e de k7’s (Bonga; Otis Redding; Rod Stewart; Laura Branigan, etc.) do meu pai e começar a experimentá-las na aparelhagem. Acho que foi aí que se fez um clique que ainda dura até hoje.

Gosto de “quase tudo” à excepção de Metal e House Comercial estilos que me deixam os “ouvidos a sangrar” mas os géneros que realmente me elevam ao expoente máximo de êxtase são a Música Electrónica (sou dj neste registo musical daí a “descontrolada” paixão) e o Indie Rock.

Álbuns que referencia:
Dj Koze – Amygdala; Mallu Magalhães – Pitanga; B Fachada – É para Meninos

texto por Mauro Lopes (Straka)

B Fachada

Depois de um ano “Sabático” sem termos noticias de B ele volta sem B, com um álbum disponível apenas na plataforma Bandcamp. Um álbum cheio de raízes de carisma popular que passam um pouco pelo pop/ afrobeat e fandango. Mas este ensaiadinho, que considero o António Variações do Século XXI pela singularidade muito própria, B destaca-se de muitos artistas nacionais, e até internacionais, por ser o seu 13º álbum em 7 anos, desde o lançamento de Até Toboso. Em entrevista a Viriato Teles, In Se7e, 27-11-85 Zeca Afonso dizia: “A música “popular portuguesa” continua viva. E a prova é que têm saído coisas. Cada músico tem qualquer coisa de seu, não se confunde com outro. Há uma marca pessoal que é desejável”. Parece que B teima em continuar a deixar a música “popular portuguesa” viva, metendo um cunho pessoal que “já o tempo se habitua”.
Um disco que está a dar que falar e vai continuar…
https://bfachada.bandcamp.com/album/b-fachada-3

texto por Mauro Lopes (Straka)