“Never Catch Me”, Flying Lotus feat. Kendrick Lamar

Flying Lotus + Kendrick Lamar + Thundercat = Mind blown. Esta música faz parte do novíssimo You’re Dead, álbum lançado por Flylo no passado mês de Outubro. Está na hora de enganar a morte com o total despertar dos sentidos.

Texto por Alexandre Ribeiro.

Anúncios

Jon Hopkins – Asleep Versions

Chama-se Asleep Versions, mas a meditação não nos deixa dormir. Jon Hopkins, dono de um dos melhores álbuns de 2013, acaba de “limpar” a casa e trata de desarmar as suas canções de maneira totalmente ímpar.

Immunity era um desafio de equilíbrio entre a luz e a escuridão. Asleep Versions é deixar entrar a luz sem reservas. A reconstrução de músicas como Immunity, Form By Firelight, Breathe This Air e Open Eye Signal são feitas de maneira mais simples, deixando os “milhares” de layers que ocuparam as suas produções originais.

A Islândia tem Björk e Sigur Rós, mas pontualmente vai recebendo artistas que necessitam da tal paz de espírito que abre o caminho para a descoberta pessoal. O discípulo de Brian Eno não precisava de se encontrar, mas abriu espaço a outro mundo.

Texto por Alexandre Ribeiro.

Holly sem descanso

Miguel Oliveira, aka Holly, é um jovem produtor nacional que tem vindo a dar cartas. Lançou quatro beat tapes e um EP de estreia, com selo da Rockit, só nestes últimos dois meses. De Flying Lotus a Jay Dilla, as ligações entre o novo e o velho são uma maneira de fazer algo “fresco”. Tem como curiosidade ser irmão de um dos melhores dj’s e produtores nacionais, DJ Ride. Com um nível de produtividade muito acima da média já tem um novo EP no forno chamado October Stash. O futuro promete.

Para conhecerem melhor, passem por: 

texto por Alexandre Ribeiro

“Pobre e Rico”, de Batida

Dançar sem deixar de pensar. O álbum de Batida intitulado Dois, lançado recentemente, é uma junção do sangue africano com a electrónica europeia. Pedro Coquenão, cérebro de Batida, não passou despercebido e, depois de um álbum de estreia sem falhas, confirma as expectativas geradas. Damon Albarn, multifacetado artista britânico, chamou-o para o projecto African Express e para remisturar Heavy Seas Of Love, música que faz parte do alinhamento de Everyday Robots, o que atesta bem as suas qualidades. Está na hora de abrir a pista de dança.

texto por Alexandre Ribeiro

NOS Discos apresenta três álbuns

Três em um. A NOS Discos continua a patrocinar a novidade e aposta em três nomes que se encontram na qualidade, mas diferem no género. A apresentação de três álbuns que são bastante diferentes na sua génese e capazes de trazer algo novo.

Ana Cláudia encanta pela simplicidade e voz adocicada. A produção do álbum, De Outono, está a cargo de Ben Monteiro – esteta dos D’Alva – que consegue preparar na perfeição a entrada da cantora em cena. A atmosfera outonal criada pelo produtor vai de encontro à temática do álbum e estas cinco canções vêm ocupar um espaço que ainda faltava preencher.

Stereossauro não é uma surpresa e muito menos um novato. Campeão do Mundo de Scratch em parceria com Dj Ride, o produtor é uma das metades dos Beatbombers. O seu primeiro álbum de originais só vem clarificar as qualidades que lhe são reconhecidas e mostra o porquê de ser convidado habitual em festivais e clubes. Para completar a sua visão, pede ajuda a Dealema, Razat, DJ Ride, Helena Veludo, Mr. KoochiBass, Skillaz, Xeg e Ricardo Gordo. Bombas em Bombos vai à procura do sample “fora de norma”.

Keep Razors Sharp são um grupo de velhos conhecidos. A vontade de fazer algo em conjunto é o principal “culpado” da junção de forças por Afonso (Sean Riley & The Slowriders), Rai (The Poppers), Bráulio (ex-Capitão Fantasma) e BB (Pernas de Alicate). A parte visual fica a cargo de Sara Feio e complementa na perfeição o conteúdo relatado ao longo da obra. A dicotomia presa/predador, como vem anunciado no texto de apresentação no site da NOS Discos, é a força motriz do disco e o foco das letras. A estreia do seu álbum homónimo é promissora e veremos se terá continuidade ou se será apenas um disco de celebração entre amigos.

Os álbuns estão disponíveis no site da NOS Discos para free download. Oportunidade única para desfrutar, a triplicar, de qualidade nacional.

texto por Alexandre Ribeiro

Alexandre Ribeiro

A música surge como pano de fundo na banda sonora do meu quotidiano. As avenidas principais do universo musical não são descuradas mas é nas ruelas obscuras que vou saciando a minha curiosidade.

Os álbuns que mais me marcaram foram Nevermind, dos Nirvana, Ok Computer, dos Radiohead e Madvillany, dos Madvillain, no entanto poderia referir mais uma dezena de álbuns que constariam da lista de favoritos.

De Nirvana a Kanye West, de John Coltrane a Jon Hopkins ou de Sam The Kid a Paus. Não existem barreiras de género e é esse o fio condutor para a contínua (re)descoberta de novos sons.

texto por Alexandre Ribeiro